Clichê

Resenha 459 Lugar Feliz

Por Barbara em 16 maio • 2024

Posts arquivados em: Tag: mitologia

28dez • 23 Fantasia, Infantojuvenil, intrínseca, Literatura Americana, literatura estrangeira, resenha, Resenhas de Livros, Rick Riordan

Resenha 452 Percy Jackson e o Cálice dos Deuses

Compre o Livro

Percy Jackson e os Olimpianos foi o que me aproximou da leitura. Droga, acho que fiz um editorial. Então, bom avisar que isso aqui vai ter spoilers de todas as outras sagas. Leia por sua conta e risco. 

A nostalgia é uma porta para a juventude. 

Acho que já falei isso algumas outras vezes, mas eu já havia lido, na adolescência, alguns livros da Agatha Christie que eram da coleção do meu falecido e saudoso tio Helton, mas ainda faltava algo para estreitar minha relação com a leitura. Adorava, e ainda adoro, a maneira como Agatha desenvolve as situações, embolando os acontecimentos para tentar surpreender o leitor, mas o ano era 2009 e eu, no auge de meus 13 anos, não possuía tanto apreço pelo que lia. Ainda assim, Morte no Nilo e Assassinato no Expresso do Oriente me marcaram demais. 

Mas então chega o ano de 2010 e nos cinemas está em cartaz o filme Percy Jackson e o Ladrão de Raios (dirigido por Chis Columbus que dirigiu também os dois primeiros filmes da franquia Harry Potter). Mitologia Grega sempre foi um chamariz para mim, filmes como Tróia, 300, Fúria de Titãs e tantos outros me instigavam, então uma promessa de repaginação nas histórias, modernização delas, me pareceu encantadora. E foi, saí da sala de cinema obcecado, insisti com minha mãe que passássemos na livraria para vermos se tinha o livro lá. Eu precisava de mais, precisava saber o que acontecia. Passamos e eu levei para casa um livro com capa verde e letras brilhantes. 

Continue lendo
02jan • 17 literatura estrangeira, resenha, romance histórico

Resenha #178 A Irmandade Perdida

Título: A Irmandade Perdida
Autor: Anne Fortier
Editora: Arqueiro
Páginas: 528
Gênero: Romance Histórico, Ficção Histórica, Mitologia
Classificação: 5 estrelas

Sinopse: Diana Morgan é professora da renomada Universidade de Oxford. Especialista em mitologia grega, tem verdadeira obsessão pelo assunto desde a infância, quando sua excêntrica avó alegou ser uma amazona – e desapareceu sem deixar vestígios.
No mundo acadêmico, a fixação de Diana pelas amazonas é motivo de piada, porém ela acaba recebendo uma oferta irrecusável de uma misteriosa instituição. Financiada pela Fundação Skolsky, a pesquisadora viaja para o norte da África, onde conhece Nick Barrán, um homem enigmático que a guia até um templo recém-encontrado, encoberto há 3 mil anos pela areia do deserto.
Com a ajuda de um caderno deixado pela avó, Diana começa a decifrar as estranhas inscrições registradas no templo e logo encontra o nome de Mirina, a primeira rainha amazona. Na Idade do Bronze, ela atravessou o Mediterrâneo em uma tentativa heroica de libertar suas irmãs, sequestradas por piratas gregos.
Seguindo os rastros dessas guerreiras, Diana e Nick se lançam em uma jornada em busca da verdade por trás do mito – algo capaz de mudar suas vidas, mas também de despertar a ganância de colecionadores de arte dispostos a tudo para pôr as mãos no lendário Tesouro das Amazonas.
Entrelaçando passado e presente e percorrendo Inglaterra, Argélia, Grécia e as ruínas de Troia, A irmandade perdida é uma aventura apaixonante sobre duas mulheres separadas por milênios, mas com uma luta em comum: manter vivas as amazonas e preservar seu legado para a humanidade.
 

 

“Está tudo lá – dissera ela, como se estivesse respondendo a uma pergunta minha.
– Debaixo da superfície. Basta encontrar.”

 

What a breath of fresh air! Sim, meus queridos, a empolgação foi tanta com esse livro, que não encontrei palavras em português. Essa foi mais uma de nossas leituras conjuntas, na qual eu demorei a embarcar, e quase fiz a Mi vir lá de JF pra Sampa pra puxar minha orelha pessoalmente e me fazer largar a releitura.
Confesso que 2016, para mim, foi muito fail na questão de leituras, tanto que reli muitos livros, mas A Irmandade Perdida foi o último livro do ano que se passou e, meu Deus, não poderia ter terminado o ano melhor.
Mas vamos ao que interessa!

Continue lendo