26ago • 19 literatura estrangeira, new adult, Outro Planeta, resenha, Resenhas de Livros, Romance, Tillie Cole

Resenha #276 Um Desejo para Nós Dois

Título: Um Desejo Para Nós Dois
Autor: Tillie Cole
Editora: Outro Planeta
Páginas: 416
Ano: 2019
Gênero: New Adult/ Romance/ Literatura Estrangeira
Classificação: 2 estrelas

Compre o Livro

Sinopse: Da mesma autora de Mil beijos de garoto, uma história sobre o poder transformador da música.
Uma história de música. Uma história de cura. Uma história em que o amor conquista tudo. Bonnie é a explosão de cor na escuridão dele. Cromwell é a batida que faz o coração dela pulsar. Aos dezenove anos, Cromwell Dean é a estrela em ascensão da dance music eletrônica. É adorado por milhares de pessoas, mas ninguém o conhece de verdade. Ninguém vê a cor do seu coração. Até a garota do vestido roxo. Ela é a primeira que consegue ver através das barreiras que Cromwell construiu para a escuridão que o habita.
Quando deixa para trás o céu cinzento da Inglaterra para estudar música na Carolina do Sul, a última coisa que ele espera é vê-la de novo. E ele certamente não espera que a garota do vestido roxo fique em sua cabeça como uma música. Bonnie Farraday vive pela música. Ela deixa cada nota tocar seu coração e não entende como alguém tão talentoso quanto Cromwell pode evitar fazer o mesmo. Ele está se escondendo de seu passado e ela sabe disso. Bonnie tenta ficar longe, no entanto, algo continua chamando-a de volta. Mas quando uma sombra se aproxima dela, cabe a Cromwell ser sua luz, da única maneira que ele sabe. Ele deve ajudá-la a encontrar a música perdida em seu coração frágil, deve mantê-la forte com uma sinfonia que só ele pode compor. Uma sinfonia de esperança. Uma sinfonia de amor.

Eu acredito que escrever uma resenha negativa é muito mais fácil que uma positiva. Soltar o verbo explicando tudo o que se desgostou, em minha opinião, é catártico. O desafio é fazer isso sem ser desrespeitosa, não gostei desse livro, mas prometo que tentarei escrever com lucidez e espero que ela fale mais alto que a minha revolta contra a história.

Vamos começar.

O livro conta a história de Cromwell e Bonnie, ele é um jovem DJ em ascensão no cenário da música eletrônica, e ela uma compositora cursando faculdade de música no interior sulista dos EUA. Durante uma viagem à Inglaterra, Bonnie tem seu primeiro contato com Cromwell e só posso dizer que não foi nada amigável.

O tempo passa, Bonnie está de volta a sua cidade, mais um ano na faculdade e o que ela menos poderia imaginar é que Cromwell seria um dos novos alunos de sua turma. A atração entra eles é óbvia, porém Crom tem certos problemas para se abrir e aceitar outras pessoas em sua vida. Eles são postos para trabalhar juntos, mas as coisas não dão certo e eles passam a viver quase em pé de guerra.

Mocinho babaquinha? Temos!

A questão toda é que Cromwell é um prodígio da música, ele possui sinestesia que é uma condição que permite que ele veja os sons através de formas e cores. Ele também consegue tocar qualquer instrumento com facilidade e compor melodias com mais facilidade ainda. Só que por problemas no passado, ele abandonou a música clássica e luta ferozmente contra o dom que possui. É aí que Bonnie entra, conforme os dois vão se aproximando, a amizade e o amor vão surgindo e tudo vai cooperando para libertar nosso mocinho dos traumas passados.

Bem clichê né?

O livro é um clichê ambulante, eu não tenho problemas com clichê, gosto bastante e quem lê minhas resenhas sabe disso. Tudo está na narrativa e na capacidade do autor de transformar algo já bem “batido” em algo interessante. A Tillie Cole não conseguiu.

Uma história desnecessariamente dramática e indutiva. O tempo todo parece que a autora te pega pelo braço e vai te mostrando o caminho das pedras no livro, não existe espaço para interpretação própria e nada fica subentendido. Me lembrou muito o “Sob a Luz dos Seus Olhos” da Chris Mello na narrativa. Tudo excessivamente explicado e cheio de adjetivos a ponto de enjoar.

Por exemplo, eu perdi as contas de quantas vezes a Bonnie se referiu ao talento musical do Cromwell com uma centena de elogios. Eu só queria dizer “Ei, eu já entendi que esse cara é de outro planeta, que ele tem um dom incomparável, chega de esfregar na minha cara o óbvio!”. Tudo isso vai servindo pra deixar o livro chato e como se não fosse o bastante, a mocinha tem um problema de saúde que a deixa entre a vida e a morte. Isso te lembra alguma coisa? Tipo, “Mil Beijos de Garoto”… Nicholas Sparks curtiu rs.

Mas o pior foi a falta de andamento, eu falo muito sobre como é bom quando o livro flui, você pega e nem sente a as páginas passando, esse foi diferente. Um história arrastada, enrolada e que parecia não evoluir. Confesso que o ponto alto foi quando li a última página e dei adeus a Bonnie e Cromwell. Não indico e só fui até o final para poder falar com propriedade sobre ele com vocês. 2 estrelas simplesmente porque a parte da sinestesia é interessante, nada além disso. Sério, vocês não precisam desse livro. Leiam outra coisa.

confira também os Posts Relacionados

Comente com o Facebook

Deixe seu comentário

2 Comentários

  • Nathi
    05 set 2019

    Também odieeeeeei! Já tinha detestado mil beijos de garoto mas esse era tanto drama atrás de drama que eu quis terminar logo para parar de passar nervoso

    • Barbara Lima
      Barbara Lima
      05 set 2019

      Realmente, deu vontade de pedir pra ela guardar um pouco do drama para o próximo livro, porque oh protagonistas sofridos e mal resolvidos kkkkk
      Só sei que parei com a Tillie Cole, não leio mais nada da autora.
      Obrigada por comentar Nathi! Beijos