drama

Resenha #268 Bad Boy Brody

Por Barbara em 03 abr • 2019
Laura Ward

Resenha #264 Not Yet

Por Barbara em 22 mar • 2019

Categoria: R. S. Grey

29mar • 19 comédia, literatura estrangeira, R. S. Grey, resenha, Resenhas de Livros, Romance

Resenha #266 Anything You Can Do

Título: Anything You Can Do
Autor: R.S. Grey
Editora: Independente
Páginas: 277
Ano: 2017
Gênero: Romance/ Literatura Estrangeira/ Comédia
Classificação: 5 estrelas

Compre o Livro

Sinopse: Lucas Thatcher sempre foi meu inimigo. Faz uma década desde que o vi, mas nossos anos em costas opostas foram menos de uma paz duradoura e mais um cessar-fogo temporário. Agora que estamos de volta à nossa pequena cidade, eu sei que Lucas espera a mesma guerra antiga, mas eu mudei desde o ensino médio – e pelo que parece, ele também.

O garoto arrogante que era meu rival adolescente agora é um doutor bem definido, armado com uma boa aparência intimidante. Ele é o Lucas Thatcher 2.0, a nova e melhorada versão com quem irei competir no local de trabalho em vez do pátio da escola.

Eu não estou preocupada. Eu também sou médica, credenciada e sexy em um jaleco branco. Parece que ganhar será muito fácil – até que Lucas revele uma tática que nenhum de nós já usou antes: guerra sexual.

No dia em que ele me empurra contra a parede e pressiona seus lábios contra os meus, não posso deixar de me perguntar se ele esta me enchendo de paixão ou veneno. Cada toque fugaz é a tortura perfeita. Com cada beijo roubado, minhas paredes esfriam um pouco mais. Depois de todo esse tempo, Lucas sabe exatamente como tirar as minhas defesas, mas não tenho pressa em me render. Conhecer o inimigo nunca pareceu tão bom.

Ah as relações de amor e ódio… esse clichê que eu amo, mas nem sempre tem em bons livros. Por sorte, nesse tem!

Anything You Can Do nos conta a história de Dayse e Lucas. Eles se conhecem a vida toda, as famílias são próximas, Dayse é a melhor amiga da irmã de Lucas… eles deveriam ter uma boa relação, certo? SQN!

Esses dois são inimigos velados desde sempre, um vive para provocar o outro, nas coisas mais simples desde os tempos do colégio, até o momento presente, como adultos e com carreiras já estabilizadas. Eles viviam em constantes disputas e agora não seria diferente.

Continue lendo