Clichê

Resenha 459 Lugar Feliz

Por Barbara em 16 maio • 2024
30out • 21 beijos, Sobre Primeiros Beijos

Sobre Primeiros Beijos #21

Hey meu povo, a Sobre Primeiros Beijos está de volta com uma seleção de primeiros beijos bem amorzinhos. Aperta o play e vem se apaixonar comigo!

.

.

Ele me puxou em seus braços. E mal tive tempo de pensar antes de ele me beijar. Com uma das mãos na minha cintura, me segurando perto, a outra mão na minha nuca, os beijos eram firmes e deliberados, suplicantes. Parei de pensar. Tudo no que havia trabalhado para desvendar meu coração tinha sido poderoso demais para que eu pudesse resistir. Agora eu não era nada a não ser coração, e estava puxando-o mais perto e o beijando, e quando eu o beijei de volta, ouvi um gemido escapar dele. Eu me afastei, ofegante, e ele me puxou de novo para junto de si, como se precisasse de mim mais do que precisava de ar. Kate e Henry – Blackmoore

.

.

.

.

No segundo em que a porta se fechou atrás deles, ele a empurrou contra a parede e colou a boca na sua. Jasmine se entregou por completo. Passou os braços em torno do pescoço de Ashton, arqueando o corpo em sua direção. O corpo dele era uma revelação – os músculos fortes e a sólida extensão de sua ereção pressionavam o abdômen dela. Ela já sabia como era o toque, o cheiro dele, a sensação de seus lábios nos dela. Mas aquilo era diferente. Daquela vez era real. Quando a língua dele deslizou pelos lábios dela, ela os abriu com um gemido. Até que enfim eles iam fazer aquilo direito. As línguas se tocaram, provando uma à outra, acariciando-se. O beijo de Ashton era mais forte, mais audacioso que o de Victor. E ela se deixou levar. Jasmine e Ashton – Você me ganhou no Olá

.

.

.

Mas, no momento seguinte, eles estão me beijando. Eles são meus, e eu sei que ele é meu. Porque ele sempre foi. Acabamos por nos perder por um tempo, mas não voltaremos a isso. Sua boca está quente quando toca a minha. Suavemente. Levemente. Estou esperando por essa merda desde sempre. Meus dentes pegam seu lábio inferior, puxando-o suavemente, fazendo-o respirar fundo. Alcançando-o enquanto eu me ajoelho no meu assento e pairo sobre o console central, deslizo a mão pelo cabelo dele, colocando a parte de trás da sua cabeça na palma da minha mão e abro a boca, beijando-o lentamente de volta, como se não houvesse outro lugar onde eu preferisse estar. Ninguém mais que eu preferiria beijar. Porque não há. Bianca e Zac – Hands Down

.

.

.

Ele se inclinou – ela parou de respirar – e sua boca se aproximou da dela. Juntos, eles exalaram de alívio e tudo sumiu: som, luz, outras pessoas. Ela sentiu a franqueza nele também, a confirmação de que eles estavam certos em pensar que seria tão bom. Um beijo curto, e depois um mais longo, apenas sua boca cobrindo a dela e depois voltando para provar novamente. Só para ver. Jess e River – The Soulmate Equation

.

.

.

.

.

.

.

Em vez disso, os lábios dela formaram seu nome, – Will… – mas ele escapou sem um som, quando ele se inclinou sobre ela e tocou-a com a sua boca. Não foi um beijo apaixonado, mas um toque cheio de inseguranças: tentando; incerto; uma mistura de ar, mais do que de pele. Mil perguntas encapsuladas no toque trêmulo de duas bocas tímidas, enquanto seus corações trovejavam, suas almas e corpos procurando alívio. Ele se inclinou, olhou nos olhos dela e havia a cor de aceitação, um verde profundi na sombra que sua cabeça projetava. Ela também estudou os olhos dele de perto, castanhos, olhos vulneráveis, que ele tantas vezes escondia debaixo da aba de um chapéu amassado. Ela viu as dúvidas que o tinham acompanhado a este limiar e se admirou de que alguém tão bom, tão bonito por dentro e por fora, tivesse que abrigar tais sentimentos, quando era ela estava abrigando tais dúvidas; a sempre e grávida Elly See, detentora do riso e dos dedos das pessoas da cidade apontando para ela. Mas, nos olhos dele, ela não viu o riso, apenas uma mistificação profunda coincidindo com a dela.
Ele a beijou novamente. Levemente, suavemente, o roçar de uma asa de uma borboleta em cima de uma pétala, enquanto as pontas dos dedos dela roçavam o peito dele. E, finalmente, a solidão da vida de Will Parker parou de doer. Ele pensou em seu nome, repetidas vezes: Elly, Elly… Uma bênção, quando o beijo se aprofundou, mais firme, mais completo… mas ainda com uma certa reserva, afinal, eram duas pessoas educadas para rejeitarem a possibilidade de milagres assim, e agora estavam se esforçando para mudarem suas crenças. As mãos dele se fecharam sobre os braços dela e Elly apalpou o peito dele, mas ele continuou a buscar mais espaço, conforme abria os lábios dela com os seus, trazendo o primeiro toque de línguas: quentes, úmidas e ainda trêmulas. Corações que haviam martelado com incertezas, bateram agora com exultação. Eles procuraram e encontraram um ajuste mais íntimo e o beijo se tornou algo mais do que qualquer um deles esperava, doce troca, trazendo mais do que o fluxo de sangue e o impulso de corações, trazendo também a garantia de que Will e Eleanor eram seres vivendo um grande momento.
Elly e Will – Glória da Manhã

Espero que vocês tenham gostado dessa seleção, em breve volto com muito mais!

confira também os Posts Relacionados

Comente com o Facebook

Deixe seu comentário