adulto

Resenha #324 Drive

Por Barbara em 28 jul • 2020

Posts arquivados em: Tag: Veronica Roth

15jul • 15 distopia, resenha, Rocco

Resenha #99 Convergente (Trilogia Divergente #3)

Título: Convergente
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 528
Gênero: Distopia
Classificação: 3 estrelas

Compre o Livro
Sinopse: A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. No poderoso desfecho da trilogia Divergente, de Veronica Roth, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.

 

 

“Pessoas da Erudição que vão para a Audácia se tornam cruéis e brutais. Pessoas da Franqueza que vão para a Audácia costumam se tornar viciados em adrenalina, exaltados que gostam de arrumar briga. E pessoas da Abnegação que vão para a Audácia se tornam… não sei, acho que soldados. Revolucionários.”

Não sei nem como começar essa resenha, minha vontade é sentar, chorar e depois tacar fogo nesse livro, tamanha a minha revolta!

Antes de qualquer coisa, preciso avisar que essa resenha será um pouco ácida, então se você gostou do livro… sinta-se livre para discordar da minha opinião. Se você não gostou, aproveite esse espaço e destile seu veneno/raiva/ódio. Se você ainda não leu… é… leia e venha comentar sua opinião!

Continue lendo

02abr • 15 distopia, resenha, Rocco

Resenha #88 Insurgente (Trilogia Divergente #2)

Título: Insurgente
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 512
Gênero: Distopia
Classificação: 5 estrelas

Compre o Livro
Sinopse: “Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama – e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.” 




Alucinante!

Não tenho muitas palavras para descrever tudo o que senti lendo Insurgente, um misto de euforia, tristeza em alguns momentos e muito amor em diversas partes – que se traduzem no número de quotes que marquei nesse livro!

“Como um animal selvagem, a verdade é poderosa demais para ser mantida aprisionada – Do manifesto da Franqueza.”

Continue lendo

23mar • 15 best book, distopia, resenha, Rocco

Resenha #86 Divergente (Trilogia Divergente #1)

Título: Divergente
Autor: Veronica Roth
Páginas: 502
Gênero: Distopia
Editora: Rocco
Classificação: 5 estrelas

Compre o Livro
Sinopse: “Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.
A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.
E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.”

Divergente é sem dúvida uma das minhas distopias favoritas.Desde a primeira vez que li esse livro fiquei encantada com a sociedade que a Verônica Roth criou, os valores dos personagens, as regras e ideais de cada facção… tudo isso me fascinou e virei fã obviamente!

No primeiro livro da trilogia, nós somos apresentados a uma nova sociedade criada dentro da cidade de Chicago, ela é organizada em cinco facções: Amizade, Abnegação, Erudição, Franqueza e Audácia. Cada facção vive de acordo com regras bem específicas que os distinguem uns dos outros, o modo de vestir, falar, se comportar e etc definem a facção a qual cada pessoa pertence.

“Os costumes das facções ditam até como devemos nos comportar nos momentos de inatividade e estão acima das preferências individuais.”

Continue lendo