adulto

Resenha #324 Drive

Por Barbara em 28 jul • 2020
12jun • 14 Review

#7 Review Game of Thrones The Watchers on the Wall – S04E09

“Escute as minhas palavras e testemunhem os meus votos. A noite chega, e agora começa minha vigia. Não terminará até a minha morte. Não tomarei esposa, não possuirei terras, não gerarei filhos. Não usarei coroas e não conquistarei glórias. Viverei e morrerei no meu posto. Sou a espada na escuridão. Sou o vigilante nas muralhas. Sou o fogo que arde contra o frio, a luz que traz consigo a alvorada, a trombeta que acorda os que dormem, o escudo que defende os reinos dos homens. Dou minha vida e a minha honra a Patrulha da Noite. Por esta noite, e por todas as noites que estão por vir.”

 

Um episódio centrado nos acontecimentos da Muralha e seus arredores. Como não amar esse episódio? Já na abertura pode-se ver os nomes dos atores e atrizes, apenas os que apareceram, nada de Sophie ou Lena, ou Peter. É o que também aconteceu na abertura de “Blackwater”.

Não sei muito bem como começar, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Começarei pelo começo então, deve ser melhor assim. É sabido.

Sam e Jon ainda estão na “Patrulha” (Sor Alliser manda os dois pra lá, até a lua cheia, no episódio sete “Mockingbird”). Sam quer saber como é ter alguém, como é pertencer a alguém e amar outra pessoa, mas Jon não é um poeta. Sam ainda acha que Gilly está morta, por isso as perguntas e a insistência em saber. A interpretação do juramento dele também é ótima e partiu meu coração o olhar dele ao descer na jaula.

“Eles já fizeram a pior coisa que poderiam fazer comigo”

Como eu gosto de wargs. A cena da coruja, mudando para o thenn que está “na pele” dela, muito boa. Vemos então o acampamento dos selvagens, desse lado da Muralha, eles aguardam o sinal de Mance, que não apareceu nessa temporada ainda, para atacarem a Muralha pelo lado Sul. Ygritte ainda está chateada com o Jon e promete ter um colar… ahn… Especial (?) , depois de encontrar com o Sabe nada. Há coragem nas palavras dela, determinação, mas o Thenn chefe tinha razão no final das contas, mas já chego nisso. Gilly passa pelo acampamento ao fundo. É engraçado, todos se viram pra ver a Ygritte falar sobre o Jon e nesse momento a Gilly passa sem ser notada.

“Jon Snow é meu”

Sam está na biblioteca, se torturando, quando Meistre Aemon chega. Toda cena que esse bom velhinho aparece, para mim, é boa, parece que ele exala sabedoria e bondade. Sam lê um livro que fala sobre os selvagens especificamente e Aemon o repreende, dizendo que o escritor do livro nunca chegou perto de algum selvagem e que piores deveriam ser as histórias que os selvagens contam sobre os ‘Corvos’. Essa cena me fez lembrar da cena em que o Jorah diz para a Dany “É tentador ver seu inimigo como O mau, mas há bem e mal em ambos os lados de uma guerra”. Sam quer ver pelo que Gilly pode ter passado, o que ela sofreu, mas se deixa levar pela visão unilateral de um Meistre que deve ter escrito absurdos e usado a hipérbole assim como usou tinta e pena. Meistre Aemon e Sam ainda travam um duelo de palavras amigável quando o Meistre afirma que Sam ama Gilly. Quando Aemon afirma que já amou uma mulher Sam se espanta e o Meistre diz as frases mais engraçadas do episódio:

“Você pode imaginar todos os tipos de horrores caindo sobre aquela pobre garota e seu filho. E é tão difícil imaginar que um velho, um dia foi, mais ou menos, como você?”

Aemon conta por alto suas desventuras, quando era apenas um jovem futuro Rei, e fala de um amor misterioso (provavelmente a irmã dele, essa é a vibe da Casa Targaryen) que arrebatou seu coração ele manda Sam ir dormir, no caminho ele ouve Gilly, que chegou ao portão do Castelo Negro, ele manda Pyp abrir o portão pra ela e Pyp fica surpreso com o tom e o palavrão que ele fala. O portão é aberto, abraços, promessas e essas coisas. O berrante toca. Duas vezes. Selvagens. Sam leva Gilly para a despensa. Quando ele sai a câmera foca no Pyp, dá pra ver o medo dele.

Todos olham pra cima, os selvagens e os patrulheiros, menos os que estão no topo da Muralha. Mas todos veem “A maior fogueira que o Norte jamais viu”. A trombeta continua a soar, dois toques sempre. Os preparativos se intensificam. Jon ajuda em muitos deles. Sor Alliser e Jon tem uma conversa franca e Thorne diz o que ele vê como liderança, sou suspeito pra falar disso porque eu odeio o Alliser profundamente, mas liderança, deveria ser, saber ouvir e decidir o que é melhor visando o interesse do grupo e não o que ele fez. Eles selam um pacto de paz para defender a Muralha, até porque o Inimigo do meu Inimigo é meu Amigo.

Na despensa Gilly insiste pra Sam ficar com ela já que ele não será de serventia para batalha e ele prometeu ir aonde ela fosse. “Eu não quis dizer no mesmo quarto/cômodo”. Eu ri dessa frase, mas não era uma cena pra ser apenas humor. Sam sempre disse que era um covarde, que até seu pai já havia o chamado de covarde. Agora Gilly vem com um discurso de que ele pode se esconder enquanto os irmãos morrem, ele pode se proteger enquanto os outros se arriscam, mas ele é um Homem da Patrulha da Noite e como tal ele vai defender a Muralha e lasca um beijo nela. Coisa linda esses dois. Ela ainda pede pra ele não morrer e ele promete a ela que não irá, mas é Game of Thrones e tudo pode acontecer. Valar Morghulis.

Pyp está muito nervoso, ele treme até para colocar as flechas no piche. Humanizar e fazer com que nos importemos com os personagens é um grande mérito dessa série. Sam tenta acalmá-lo, ele pergunta se Sam está com medo e é claro que ele está, então Pyp pergunta como ele conseguiu matar um Caminhante Branco se está com medo de um bando de selvagens. É tipo “Você pilota um avião, mas tem medo de andar de moto”. Sam responde que ele tinha que fazer algo, ele tinha que agir para proteger Gilly e diz que só conseguiu porque ele era um Nada, ele não era mais Sam, o Gordo, não era filho de deu pai, ele era ninguém. E Ninguém não tem medo. Mas agora ele estava com medo, agora ele é alguém e essa é uma grande evolução para o personagem que se definia apenas como Covarde.

Ygritte observa a movimentação deles e vai chamar o resto dos Selvagens para o ataque. A trombeta continua a soar. Os Selvagens que estão ao Norte da Muralha avançam, podemos ver gigantes e um mamute. SIM, SIM UM MAMUTE. Como eu esperei por essa batalha, mas eu não estava esperando mamutes e gigantes, nem sei o que eu estava esperando, mas o mamute está incrível, assim como os gigantes. A reação dos patrulheiros que estão no topo da Muralha ao avistarem os gigantes e o mamute é ótima. Grenn deixa cair um barril e Sor Alliser tem um faniquito, péssimo líder… O ataque pelo Sul avança e ele é requisitado lá embaixo, Ygritte acerta oito em cada dez flechas que lança e desvia magnificamente das flechas inimigas, essa menina é demais. Os selvagens estão escalando o portão, Sor Alliser faz um bom discurso motivacional e a luta começa porque os Selvagens atravessaram o portão. Não deu tempo de respirar, se acalma HBO. O Terror dos Gigantes escala o portão e mata todos os que encontra pela frente, felizmente Sam e Pyp saem antes de serem atacados também.

No topo da Muralha Janos Slynt entra em curto ao ver os gigantes e o mamute e Grenn manda ele descer. O comando fica nas mãos de Jon, que faz um excelente trabalho porque as pessoas acreditam nele, gostam dele. A Muralha é dele. #FanBoy

Agora, é muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, temos um gigante com seu arco e flecha atingindo um Patrulheiro e fazendo com que ele voe e vá parar no chão onde a outra batalha está acontecendo. Tem os escaladores chegando até a base da Muralha, Ygritte mandando flechadas em todas as direções, Janos Slynt chegando até a despensa, sangue jorrando, flechas zunindo e Pyp… Pyp leva uma flechada de Ygritte, bem no pescoço, Sam diz que vai buscar Meistre Aemon para cuidar dele, mas Pyp sabe que não há mais esperança para ele e só pede para Sam ficar ali com ele. Humanizar e tornar personagens, ditos secundários, importantes para nós e mata-los, ninguém está seguro, se os, ditos, principais morrem os secundários morrerem não deveria ser uma surpresa, mas é e eu, particularmente fiquei bem triste com a morte do Pyp, não tem a importância de um Casamento Vermelho, mas nesse episódio ele foi destacado e fez com que sua morte fosse lembrada e será lembrada, por mim pelo menos.

Os gigantes chegam até o portão externo e tentam derrubá-lo. Jon pede para Grenn descer e proteger o Portão Interior. Tormund luta com Sor Alliser e derrota-o, uma pena ele não ter dado cabo da vida do Alliser, mas mesmo caído ele grita para os homens protegerem o portão. A cena volta para Sam, que ainda está com Pyp morto, ele se levanta pega a besta e vai em direção a Gaiola (que leva os Patrulheiros para o topo da Muralha), antes de chegar até lá um thenn o avista e corre em sua direção. O thenn corre como se não houvesse amanhã, mas um canibal quando vê um gordo… Quase entendo essa reação dele, quase, é a mesma coisa quando minha mãe faz lasanha aqui em casa, mas divago. Sam mata ele com uma flechada na cabeça e corre na direção da Gaiola. Olly toma conta da Gaiola, mas ele é só uma criança e está com medo, todos esses gritos devem lembra-lo da sua vila sendo atacada, de seu pai e sua mãe sendo mortos, mas Sam acalma-o e diz para ele se juntar a luta.

Os gigantes continuam a atacar o portão exterior, mas os Patrulheiros derrubam piche neles e o mamute, assustado, foge, na fuga um dos gigantes é abatido, o outro furioso levanta o portão e entra. Sam chega ao topo e diz a Jon que precisam de mais homens lá embaixo, para conter a investida Selvagem. Jon chama seus irmãos para lutarem com ele (e não para ele) e desce. A cena vai para o gigante que entra no túnel. Os Patrulheiros estão com medo, é um gigante que está vindo na direção deles e aí Grenn começa a recitar o Juramento da Patrulha da Noite. Não tem como não se arrepiar, é um discurso muito forte e dá força para eles segurarem o portão. E têm gente que não gostou desse episódio, mas já chego nisso.

 

Jon pede pra Sam libertar Fantasma e pula da Gaiola já fazendo sangue jorrar. Ele pular, saindo primeiro e indo pro combate é para demonstrar o espírito de liderança dele, aliás, reafirmar. Uma panorâmica da luta é feita e Fantasma é solto, já matando o primeiro. O Magnar de Thenn (o maior dos carecas) vai na direção de Jon e eles têm uma luta muito bem coreografada, quando Jon mata o Magnar dá de cara com Ygritte apontando o arco na direção dele. É nesse momento que a tensão é maior. É um episódio nove (geralmente o mais sangrento de todos ou com as mortes mais importantes) e você tem um personagem principal na mira de um arco e flecha, é como Sansa quase sendo jogada do Ninho da Águia, é o toque de ‘Se quiséssemos poderíamos fazer, sem olhar para trás’; mas Ygritte titubeia, eles trocam olhares, sorrisos e uma flecha acaba com isso. Jon olha na direção de onde a flecha veio e vê Olly, que dá um aceno com a cabeça. Jon corre em direção a Ygritte, ela fala da caverna e que não deveriam ter saído daquela caverna, Jon diz que voltarão para lá e as últimas palavras dela são:

“Você não sabe nada, Jon Snow”

 

Jon segura seu corpo e chora. Mas é sabido que a vida não pausa para sofrermos e nem o episódio. Edd Doloroso dá o sinal para soltarem a foice que também é outra surpresa do episódio. A foice massacra todos os selvagens que estavam escalando a Muralha. Edd diz que a batalha acabou por enquanto e quando eles comemoram pede para não comemorarem alto, afinal a proporção de Selvagens para Patrulheiros ainda é enorme. Jon prende Tormund e já dá para ver que o jeito dele já está diferente, ele está ainda mais negro, está num luto visível, mas ele não tem tempo para sofrer, a Muralha é dele e ele tem uma guerra para ganhar.

Sam vai ao encontro de Gilly, que quase o ataca com um pedaço de carne congelada e vê Janos Slynt que foi abatido pela jovem, provavelmente depois de tomar umas liberdades. Os Patrulheiros estão juntando os corpos, provavelmente para queimá-los, e ajudando seus feridos. Jon diz a Sam que Mance estava apenas testando as defesas da Muralha e que o segundo ataque virá na noite daquele dia. Jon diz  que vai ao encontro de Mance para mata-lo, Sam tenta convencer Jon a não ir, diz o que os selvagens irão fazer com ele.

Eles entram no túnel e veem Grenn morto, mas também o gigante. Jon entrega sua espada para Sam, pede para abrirem o portão, Sam pede para ele voltar e ele caminha em direção ao lado Norte da Muralha, para Mance e seu exército, para uma possível morte iminente.

Conclusão

Não é o melhor episódio 9, mas ainda considero melhor que o Blackwater, então ele fica no top 3. Aliás, não é como se os 9’s sejam sempre os melhores da temporada, longe disso, mas são os mais impactantes, os que têm as reviravoltas mais inimagináveis e esse não trouxe isso, por isso acho que houveram muitos comentários falando mal do episódio, o que é entendível por esse lado (ser um 9, etc). Mas foi um episódio bom, a Patrulha se ergueu e repeliu os selvagens, resta saber se Jon fará algum progresso na conversa com Mance. Ah, tem uma cena de batalha no que aparenta ser o salão comum, onde os Patrulheiros comem e tal, o cara que corta a cabeça de um Selvagem deve ser o Hobb, cozinheiro da Patrulha, bom, foi só um detalhe. FALTA SÓ UM EPISÓDIO! Alguém rebobina tudo por favor! Bom, até semana que vem com a última review do ano.

– O Snow que sabia de algo.

confira também os Posts Relacionados

Comente com o Facebook

Deixe seu comentário